Saiba como estruturar suas vendas pela internet

O crescimento do comércio online já era uma tendência para todos os setores, antes mesmo do isolamento social e lojas físicas fechadas, devido ao coronavírus. Mas, com as pessoas em casa, o mercado virtual deu um salto, já que vender pela internet era a única opção para manter as portas abertas. Assim, lojistas precisaram adaptar seus negócios investindo em e-commerce, redes sociais, marketplace e outras plataformas e estratégias de venda online.

Conforme relatório da NeoTrust, as empresas brasileiras faturaram 72,2% a mais em compras pelo e-commerce, entre janeiro e março de 2021, que no primeiro trimestre do ano passado. Isso representa R$ 35,2 bilhões em vendas pela internet.

A condição adversa de agravamento da pandemia, no início do ano, com comércio fechado e novo lockdown, deve ser considerada ao analisar o aumento abrupto do faturamento. No entanto, boa parte dos brasileiros que compraram, pela primeira vez, na internet, afirma que voltaria a adquirir produtos pelas plataformas. Por isso, a adaptação das lojas ao novo perfil de consumo deverá persistir mesmo depois da pandemia.

Mas qual estratégia adotar dentro do mercado online? Os lojistas e empreendedores que só trabalhavam no formato ‘porta aberta’ ainda vivem a dificuldade que é entender como planejar sua vitrine digital para que fique atrativa e rentável.

Para falar sobre o assunto, este artigo vai listar os três principais pilares que devem ser trabalhados para faturar em vendas pela internet, além de suas vantagens e desvantagens. São eles:

E-commerce

– Marketplace

– Redes sociais

Vitrine personalizada da sua marca: e-commerce

Ao falar de e-commerce, já vem logo na mente um lindo site todo personalizado com uma vitrine online bem estruturada, estoque organizado e layout arrojado. Só que para quem está começando um novo negócio, será que a melhor estratégia é investir em um site?

Vantagens

Para que a sua empresa cresça além das vendas e ganhe relevância a partir de uma imagem bem construída e única, é fundamental ter uma plataforma com domínio próprio que expresse esta personalidade.

Ali será um espaço, exclusivo, da sua marca, onde poderá trabalhar como deseja dialogar com seus clientes, seja através do Marketing de Conteúdo, ou simplesmente, com a disposição de fotos dos produtos. O site será a vitrine e cartão visita mais completo de toda sua estratégia de marketing digital. Dali as pessoas conseguem visitar suas redes sociais, contatos e endereço físico, caso haja.

Desvantagens

Não chega ser uma desvantagem, mas para dar este passo, o investidor precisa ter em mente que terá que desembolsar um valor considerável para o desenvolvimento do seu e-commerce.

Mesmo que você se arrisque pelas plataformas mais usadas em desenvolvimento de sites, como Wordprees e Wix, é importante pensar em alguns detalhes para que o seu endereço eletrônico passe a seriedade e credibilidade que deseja. São eles:

  • Um layout arrojado que gere interesse;
  • Boa disposição dos produtos para facilitar a Jornada do Consumidor – do primeiro acesso até fechar a compra;
  • O site precisa ser responsivo;
  • Não conter bug ao acessá-lo para não espantar o futuro cliente;
  • Atendimento ao cliente bem estruturado;
  • Ser seguro, já que as vendas serão feitas com uso de dados pessoais e de cartão de crédito.

Enfim, o e-commerce precisa ser profissional! Para isso, é necessário contratar um web designer e/ou programador.

Depois de pronto, o lojista terá que investir ainda mais para que seu domínio seja bem ranqueado dentro dos buscadores de sites.

Para fortalecer o acesso e reconhecimento deste novo e-commerce, você ou um prestador de serviços deverá dedicar-se à plataforma, usando conhecimentos de marketing digital, com investimento em anúncios no Google, Inbound Marketing – produção de conteúdo de atração, E-mail Marketing, entre outras estratégias digitais.

Se deseja começar seu negócio já com caixa para investir em toda estrutura de loja online, talvez este passo seja o ideal. Mas, caso pretenda começar devagar e com baixo investimento, os sites e aplicativos de Marketplace – shoppings virtuais, e redes sociais podem ser as melhores opções.

Um bom primeiro passo: invista no marketplace

Para marcas que estão começando, o shopping virtual é um espaço atrativo para as vendas online. Não é necessário um investimento inicial, mas o empreendedor deve estar atento aos percentuais cobrados por venda em cada marketplace.

Vantagens

Durante a pandemia, os shoppings virtuais – Shopee, AliExpress, Mercado Livre, entre outros, cresceram com seus aplicativos robustos e campanhas de frete grátis.

Um estudo divulgado pela NuvemShop mostra que os dispositivos móveis são a primeira opção na hora dos clientes visitarem as lojas online. Em 2020, as vendas através dos celulares e tablets subiram 5,4%, dentro do site, o que mostra a preferência dos brasileiros pelas compras via mobile.

Assim, vender dentro das plataformas de marketplace reduz o gasto com estratégias de divulgação, plataformas próprias e engajamento na internet, já que seu produto estará dentro de um espaço que recebe milhares e milhares de visitas por dia, com versões de acesso por desktop e dispositivos móveis.

Desvantagens

Para quem opta por este modelo deve entender que seu produto concorrerá com diversos outros fornecedores dentro do shopping virtual.

Os lucros também serão compartilhados com o site que você escolher para fechar negócio. Cada marketplace cobra uma taxa diferente sobre cada venda e, em algumas plataformas, como o Shopee, por exemplo, as regras estão em constante mudança, por isso é importante estar atento a estes detalhes para ver se usar a plataforma é realmente vantajoso.

Também é importante lembrar que o comprador adquirirá seu produto e não a sua marca. Mas qual a diferença? No shopping virtual, o cliente enxerga apenas a peça, sem entender qual a identidade que aquela empresa deseja expressar com todo o trabalho que realiza.

Um artesão, por exemplo, que quer contar como o seu produto é sustentável por usar matérias-primas adquiridas com consciência ecológica, não terá espaço ali.

Em resumo, a opção de vendas online por marketplace pode ser uma base sólida para fechar a venda, mas deve ser trabalhada com outras estratégias complementares de divulgação da sua marca, seja com o e-commerce, já citado antes, e/ou as redes sociais.

Identidade da marca através das redes sociais

As redes sociais são essenciais para pequenas marcas que desejam migrar das lojas físicas para as vendas pela internet. Elas unem diversas estratégias de comércio digital com a vantagem de exigirem baixo investimento.

Mesmo não sendo o principal canal de negócios, as redes sociais têm muita força, tanto que já são responsáveis por um terço das vendas online, em todo o Brasil. Só que não se engane!

O desafio para quem opta por vender pelas páginas no Instagram, Facebook e Tik Tok, é a dedicação massiva que elas exigem com produção de conteúdo relevante. A principal meta é conquistar um público-alvo qualificado que se identifique com a mensagem da sua marca. Para alcançar mais pessoas, o comerciante pode usar a estratégia de anúncios pagos, mas o indicado é fazê-lo depois que a página do produto estiver mais sólida.

Páginas sociais exigem dedicação

As comunidades na internet podem ser o primeiro espaço para mostrar sua marca e produtos no mercado virtual. Muitas lojas físicas preferiram investir pesado, nos últimos meses, em estratégias de venda online através dos seus perfis.

Mas, é importante lembrar que o tempo dedicado a elas foi essencial para manter o negócio ativo, com postagens de vídeos curtos, imagens de qualidade, respostas rápidas e interações constantes com os clientes.

Veja algumas dicas para transformar sua página em uma vitrine online rentável:

  • Crie um diálogo com seus clientes através das postagens;
  • Para que isso seja possível, entenda quem é o seu público-alvo e sobre qual assunto a sua marca deseja falar;
  • Invista em vídeos curtos;
  • Faça fotos de qualidade;
  • O Instagram Shopping está em crescimento, use a seu favor!

Por fim, a melhor dica é entender que não exige a fórmula certa para ter sucesso nas vendas online. Cada plataforma digital possui sua particularidade. A experiência positiva ou não, em cada uma delas, vai depender de vários fatores e quais os resultados você busca em cada um.

O principal é entender o seu produto e traçar metas dentro das plataformas de comércio online. Como visto acima, cada espaço possui suas particularidades, vantagens e desvantagens. Perceba que é possível usar todas de forma complementar. As redes sociais pode ser seu principal ativo para clientes mais qualificados, já o marketplace traz um volume de vendas, mas sem a identificação com a marca. Explore as oportunidades e boas vendas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *